O escolhido

Você conhece um novo poema:
chama-se falésias, ou
fratura imposta, ou recordação
ou qualquer outro nome
desses que se dão aos poemas
tão transcendentais, seja
lá o que isso quer dizer;

Você o veste na flor da mente
branca e decide:
daqui adiante só comerei
poemas
para regurgitar mais poemas
como faz a máquina
fordista.

Mas de você, assim como
dela, nada sai além
de versos pré-fabricados
iguais a sua origem,
às mesmices,
iguais uns aos outros

— talvez o último trovador
realmente tenha morrido
em 1914;
talvez ele não tenha se
lembrado de escrever
o seu nome.


Felipe Gregório

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s